Quinta-feira, 16 de Setembro de 2004

Chulice

Já pensaram nos impostos que pagam?


Em cada 100 euros que o patrão paga pela minha força de trabalho, o Estado, e muito bem, tira-me 20 euros para o IRS e 11 euros para a Segurança Social. O meu patrão, por cada 100 euros que paga pela minha força de trabalho, é obrigado a dar ao Estado, e muito bem, mais 23,75 euros para a Segurança Social. E por cada 100 euros de riqueza que eu produzo, o Estado, e muito bem, retira ao meu patrão outros 33 euros.
Cada vez que eu, no supermercado, gasto os 100 euros que o meu patrão pagou, o Estado, e muito bem, fica com 19 euros para si. Em resumo: Quando ganho 100 euros, o Estado fica quase com 55. Quando gasto 100 euros, o Estado, no mínimo, cobra 19. Quando lucro 100 euros, o Estado enriquece 33. Quando compro um carro, uma casa, herdo um quadro, registo os meus negócios ou peço uma certidão, o Estado, e muito bem, fica com quase metade das verbas envolvidas no caso.
Eu pago e acho muito bem, portanto exijo: um sistema de ensino que garanta cultura, civismo e futuro emprego para os meus filhos. Serviços de saúde exemplares. Um hospital bem equipado a menos de 20 Km da minha casa. Estradas largas, sem buracos e bem sinalizadas em todo o país. Auto-estadas sem portagens. Pontes que não caiam. Tribunais com capacidade para decidir processos em menos de um ano. Uma máquina fiscal que cobre igualitariamente os impostos. Eu pago, e por isso quero ter, quando lá chegar, a reforma garantida e jardins públicos e espaços verdes bem tratados e seguros. Polícia eficiente e equipada. Os monumentos do meu País bem conservados e abertos ao público, uma orquestra sinfónica. Filmes criados em Portugal. E, no mínimo, que não haja um único caso de fome e miséria nesta terra.
Na pior das hipóteses, cada 300 euros em circulação em Portugal garantem ao Estado 100 euros de receita.
Portanto, Sr. Primeiro Ministro, governe-se com o dinheirinho que lhe dou porque eu quero e tenho direito a tudo isto. Um português contribuinte.

publicado por bartsky às 12:40
link do post | comentar | favorito
6 comentários:
De Anónimo a 17 de Setembro de 2004 às 11:57
Concordo com a exigência de que deve ser feita uma eficaz gestão do dinheiririnho que nos sai dos bolsos e que entra nos Cofres do Estado. Contudo, as referências aos impostos, respectivas taxas e valores está em parte incorrecta. Só para dar um exemplo, quando forem ao supermercado tenham em atenção os valores do IVA. Verão que nem todas as verbas são tributadas a 19%, mas sim algumas, nomeadamente os artigos alimentícios, são tributados apenas a 5%. Há ainda artigos ou serviços tributados a 12%. Outro exemplo: A retenção na fonte para efeitos de IRS é de 20% para os trabalhadores independentes e não para os trabalhadores por conta de outrém. Estes, só entram em taxas elevadas de IRS (20% e mais) se, proporcionalmente, auferirem rendimentos muito elevados e não tiverem filhos, pois neste caso a taxa também será inferior entre dois trabalhadores com a mesma remuneração.
De qualquer forma, após a liquidação do imposto, mesmo os que retêm na fonte a taxas elevadas, são reembolsados de grande fatia do imposto retido (basta para tal ter um empréstimo habitação, algumas despesas de saúde, contratos de seguro, etc., que é o que aocntece com a esmagadora maioria dos agregados portugueses).
Não, não trabalho para o Estado e não estou a defender o Estado, Apenas acho que as coisas devem ser ditas com precisão.
Se é verdade que o Estado gere muito mal os impostos que cobra aos contribuintes, não é por essa razão que devemos dizer mais do que aquilo que a realidade é.
De qualquer forma, parabéns pelo blog! Continua!
Abraço!Jotabe
</a>
(mailto:jotabarbosa@iol.pt)


De Anónimo a 16 de Setembro de 2004 às 23:42
Só não concordo com o título de "chulice".
Estes são os verdadeiros ~"ladrôes de fraque".ducontra
</a>
(mailto:mcaldas@iol.pt)


De Anónimo a 16 de Setembro de 2004 às 22:54
Concordo com a tua análise.
O último exemplo surgiu ontem quando o Mira Amaral apresentou a demissão de administrador da CGD após 1 ano e 9 meses naquela instituição e foi presenteado com uma "módica pensãozita" mensal de 18.000 euros. Ainda por cima deixa o lugar para um novo boy (ou deverei escrever "boi"? é que tenho dificuldade no inlglês escrito)da "aliança" que quando sair em 2006 ficará com uma reformazita de 20.000 euros.
Ainda tem aquele senhor dos óculos o descaramento de falar como um pai de família!!! só se for de uma família de chulos.El Condor
</a>
(mailto:condorfly@sapo.pt)


De Anónimo a 16 de Setembro de 2004 às 21:07
Nem mais...!!!lion_a
(http://estoufarto.blogs.sapo.pt)
(mailto:ajlgoncalves@hotmail.com)


De Anónimo a 16 de Setembro de 2004 às 18:49
Qualquer dia já ñ há B.I, só nº de Contribuinte
Mas os impostos são necessários para renovar anualmente a frota ministreal, para as viagens ao estrangeiro e as jantaradas... no Alentejo
os fatinhos de Domingo, as escolas em que assistem os familiares dos gajos do poleiro...
Gajos? Eles não são gajos, são ciganos mesmo
Novas revelações seguem nas próximas unidades temporais

Hugo Proença
</a>
(mailto:lusitania_05@hotmail.com)


De Anónimo a 16 de Setembro de 2004 às 15:47
Excelente! Parabéns tens um blog realmente refrescante e que dá vontade de ler pq dá q pensar :) Continua!
InêsMiss_Parker
</a>
(mailto:inesdfranco@hotmail.com)


Comentar post